Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
ONLINE
1




Partilhe esta Página

 

www.aetassentos.com

 


jornada ao Tibete
jornada ao Tibete

 
 jornada ao Tibete. varias fontes net.
Como a religião define a vida dos tibetanos, ofereço uma breve descrição da vida monástica. Milhares de mosteiros estão espalhados por todo o Tibete: nas cidades e vilas, nas aldeias. Mesmo na mais pequena aldeia havia um mosteiro ou convento. A vida de um mosteiro não é muito diferente da vida dos outros, as diferenças são determinadas pela tradição a que pertence um monastério em particular, assim como seu tamanho.
aras 
 Drepung - o principal mosteiro do Dalai Lam, está localizado no subúrbio de Lhasa - a capital do Tibete.
O Mosteiro de Samye é um dos mais antigos, fundado em 775-779. ne Este é o primeiro mosteiro budista no Tibete, foi lá que se realizou uma reunião, após o que foi decidido que o budismo é a principal religião do país.
Nos quatro lados do mundo - quatro estupas de cores diferentes, que lembram os quatro principais eventos da vida do Buda. Verde - nascimento, branco - iluminação, vermelho - o primeiro sermão sobre o Ensinamento, preto - partida da vida.
Como se tornar um monge no Tibete?
A família tibetana escolhe a criança mais capaz entre seus filhos. Condição obrigatória - o horóscopo tibetano da criança deve confirmar as habilidades do futuro monge.
Geralmente, em cada família tibetana há monges “próprios” entre parentes, geralmente tais “conexões” ajudam a encontrar um futuro mentor e professor em algum mosteiro tibetano. Quando um mentor é encontrado, o aprendizado começa. Na maioria das vezes a criança entra no  mosteiro tibetano  com a idade de cerca de 6 anos.
 
Todas as crianças precisam de um número diferente de anos para dominar o básico e conscientemente abordar o voto de monasticismo. De acordo com a lei da República Popular da China, é possível fazer votos monásticos em um mosteiro tibetano a partir dos 16 anos, mas na prática nos mosteiros essas leis nem sempre são cumpridas, acontece que os votos são tomados mais cedo e mais tarde, de acordo com a situação.Após o término do treinamento, a distribuição de jovens monges em monastérios tibetanos ocorre para continuar seu serviço e melhorar suas habilidades.
Os monges que vivem em monastérios tibetanos levam um modo de vida fechado e razoavelmente medido, além das orações, é impossível ouvir uma única palavra a mais.
Você pode passar horas conversando com um monge, enquanto ele escuta atentamente o interlocutor, mas não pronuncia uma única palavra.
É muito difícil falar com monges tibetanos sobre coisas simples e cotidianas.
Somente aqueles que vêm em busca do conhecimento, para aperfeiçoar suas almas, serão revelados os segredos do Tibete.
A comunicação com o mundo exterior ocorre apenas se uma caravana de alimentos chega ao mosteiro. Os monges não têm outros meios de se comunicar com o mundo exterior. O dia começa com uma oração e termina com ela. Entre as orações, os monges realizam o trabalho necessário para a existência do mosteiro e se dedicam a meditações, isto é, ao cuidado com o astral.
Os monges falam sempre sobre os eremitas com respeito. Um monge que escolheu o caminho de um eremita já na vida é considerado como uma semelhança de um santo cristão. Os monges tibetanos falam muito pouco sobre os eremitas muito pouco e com relutância, já que este é um dos segredos mais íntimos.
Nem todo mundo pode se tornar um monge de um dos templos tibetanos, o status social não desempenha um papel aqui. Além de roupas, cobertores e tigelas, o monge não tem nada.
E não há iniciação no eremita, nenhum critério de seleção especial para aquele que decidiu se tornar um eremita. Apenas um dia, um dos noviços chega ao abade do templo e diz que quer se tornar um eremita. A palavra dos monges tem o mesmo poder que o pensamento, já que os pensamentos dos monges estão abertos um para o outro.
As pessoas comuns tratam os monges, e mais ainda, os eremitas, com respeito. Comida para eremita entregue gratuitamente. Além disso, muitas vezes as caravanas pavimentam o caminho de maneira a chegar ao eremita. Encontrar-se com ele não só garante a segurança nos caminhos montanhosos, onde constantemente ocorrem deslizamentos de terra, mas também traz sabedoria. Pois em cada palavra dele há um pedaço de iluminação. E as palavras do eremita não desperdiçam.
Além das orações, alguns monges estão ocupados com os outros. mais atividades mundanas.
Primavera em mosteiros tibetanos é o momento da criação de novas ofertas. Nem todo mosteiro tem artistas capazes de criar mandalas a partir da areia. Em alguns mosteiros, como o Monastério Nyingma Samye e o Mosteiro Escola Sera Gelugba, você pode testemunhar o processo de criação de criações únicas.Mes ano, os monges criam essas obras-primas (cerca de 2 m de diâmetro) para uma das férias usando areia colorida.Depois do feriado, a velha mandala é destruída e o lançamento de uma nova para o próximo ano começa.Mandalas não são apenas multi-coloridas, mas também multi-nível. No centro da imagem está Shambala, e no lado externo do círculo existem pistas de obstáculos que devem ser superadas para chegar ao mundo sagrado:
 Mandalas de areia são criadas ao longo de vários dias. Em Sir, as mandalas são feitas sob o vidro para que possam ser acessíveis aos peregrinos ao longo do ano.
Existe outro tipo de ermitão. Aqueles que voluntariamente se afiam em uma pequena cabana, privando não só a comunicação, mas também a luz do sol e o ar fresco. O voto de silêncio fecha para sempre os lábios dos escolhidos e só o guardião silencioso traz comida para a abertura estreita da parede.
Quem decide voluntariamente se afiar deve relatar isso ao abade do templo. Depois disso, o futuro eremita de entre os monges escolhe um guarda, um homem de quem sua vida dependerá mais tarde. Nos tempos antigos, o eremita e o próprio guarda construíram uma cabana. Depois disso, um ermitão entrou em um dos quartos, e o guarda colocou pedras nele, deixando apenas um pequeno buraco para lhe dar água e comida.
Acontece uma vez por semana. A comida é a mais simples - por uma semana, uma tigela de tétira e uma xícara de água. Acontece uma vez por semana. E nada mais! O ar da sala é atualizado apenas uma vez por semana.Então, além da fome e do frio, o eremita sofre de uma constante falta de oxigênio. Eles partem para a caverna e levam com eles conservantes naturais, cones de zimbro, etc.
O eremita, "desconectado" do mundo exterior, começa a ver de maneira diferente. Sua visão tira a escuridão, mas o ouvido é aguçado. Com o tempo, ele começa a ouvir o sangue correndo em suas veias, e o som de um tijolo sendo empurrado de volta para a parede se torna como uma queda de rocha. Os músculos se atrofiam gradualmente, e a única coisa que um monge é capaz de fazer é pegar uma porção de comida. A falta de oxigênio o submerge em estado de transe e gradualmente ele ganha liberdade espiritual, para a qual ele aceitou o aprisionamento voluntário.
A vida ainda está quente no homem, mas para o resto ele já está morto. E então a alma, incapaz de suportar a solidão, se liberta. Os monges tibetanos acreditam que somente dessa maneira, enquanto se preserva a existência física à beira da morte, a alma pode viajar, retornando uma vez por semana para ajudar a concha material a continuar existindo.
Local do funeral celestial no mosteiro de Papong
Como em geral, budistas e tibetanos são caracterizados por uma atitude peculiar à morte. Eles acreditam que após a morte uma pessoa deve se tornar alimento para pássaros ou peixes, portanto, eles estão organizando um “enterro celestial” ou “funeral de água” de acordo. Em geral, a cultura do Tibet ainda é um completo mistério para a maioria dos observadores externos. E o rito funerário local ainda continua sendo um dos rituais mais intrigantes dessa cultura.
A descrição do ritual do “funeral celestial” parecerá extremamente cruel para um homem da cultura ocidental: o corpo do exaltado é literalmente cortado em pedaços e jogado em aves de rapina.
No entanto, para os seguidores do budismo, não há nada de terrível nisso. Apenas uma pessoa entra em outro mundo. A propósito, justamente por causa de uma cerimônia fúnebre tão específica no Tibete, não é aceito comer peixe e aves (exceto galinhas). Os tibetanos acreditam que após a reencarnação, as almas das pessoas podem se mover para dentro da casca física de pássaros e peixes.
Todos esses edifícios incomuns são lembretes para as pessoas sobre a transitoriedade do tempo e como tudo vai acabar mais cedo ou mais tarde.
Eu não quero terminar a história sobre os habitantes do Tibete sobre um assunto tão triste. Afinal, os tibetanos têm muitos rituais e feriados muito divertidos. Os atributos indispensáveis ​​de um feriado nacional no Tibete são grandes bolos rituais, danças de máscaras e apresentações teatrais.
Um dos mais coloridos é o feriado de iogurte, dedicado, por mais estranho que possa parecer, ao mesmo grande Buda e ao feriado das lanternas, quando todas as ruas da cidade são decoradas com lanternas brilhantes e pinturas de estuque de manteiga colorida.



 
Em todo o país são amplamente comemorados Ano Novo Lozar, o festival de grande oração e do festival de maio da lua cheia, ou seja, o despertar da natureza e Buda.
Ou, finalmente, um feriado de banho, no qual todo tibetano participa de sua vida três vezes: no nascimento, durante um casamento e na forma de uma ablução póstuma.
Tradicionalmente no Tibete, acreditava-se que as pessoas não devem lavar frequentemente, é melhor fazê-lo apenas em eventos importantes. Até agora, os tibetanos têm o costume de banhar recém-nascidos em riachos gelados da montanha para ver se a criança pode sobreviver no clima rigoroso do Tibete.
Nos últimos anos, muitas igrejas e mosteiros estão gradualmente se transformando em museus. A restauração dos valores destruídos durante a Revolução Cultural tem como objetivo reunir mais turistas. A Revolução Cultural foi substituída por Comercial. Lindos ingressos para uma quantidade considerável de dinheiro e templos vazios com estátuas de santos em pé sozinhos neles - é para isso que o país está se transformando. Se você quiser ver o que mais resta sem demora, vá ao Tibete.



 
Este post é um exploratório do belo e misterioso país do Tibete. Se quiser, continuarei nossa jornada com mais detalhes, falarei sobre a história deste país, apresentaremos sua natureza, mostraremos a riqueza de numerosos mosteiros, faremos uma peregrinação à montanha sagrada Kailash e terminaremos com a ascensão ao famoso Jomolungma.


"Era necessário ter um senso de beleza e dedicação corajosa para viver em tais alturas" ...
N. Roerich
Muitas vezes você pode ouvir a frase: "Em breve deixarei tudo e vou para o Tibete, e morarei em um mosteiro". Esta frase é repetida após cada problema, com o qual nossa vida está cheia, mas nunca leva a ações concretas. A palavra "Tibete" freqüentemente nos representa como sinônimo de algum tipo de lugar de conto de fadas, onde você pode se esconder dos cuidados e encontrar a verdadeira paz e felicidade. 
Recentemente, reli o livro do N.K. Roerich "razvёchennyy Tibet", onde ele descreve a indignação extrema como resultado de uma reunião com o Tibete e os Tibetanos, que se desenvolveu por causa da situação política da época. A expedição de Roerich tornou-se simplesmente vítima de intrigas políticas exercidas por grandes potências que exercem considerável pressão sobre o governo do Tibete.
N. Roerich, a fortaleza do Tibete. Potala 
Tornou-se interessante para mim saber como a vida dos tibetanos é agora. Vamos fazer uma pequena excursão ao Tibete.
Então, o que é esse país fantástico - TIBET?
Primeiro, vamos nos debruçar sobre fatos oficiais secos.
(: Wikipedia Tibet . Tib  བོད་,  Wylie  bod, Boe  Whale.  西藏Xizang) - uma área de  Ásia Central , localizada no planalto tibetano . Representa uma   comunidade cultural  e  religiosa , cujas características distintivas são  a língua tibetana  e  o budismo tibetano . Os povos indígenas são  tibetanos .
Desde 1950, faz parte da República Popular da  China  como  região autônoma  e autônoma tibetana nas províncias de  Yunnan ,  Sichuan ,  Qinghai  e  Gansu , entre as quais se dividem as regiões históricas do Tibete U-Tsang ,  Kam  e  Amdo . Lhasa  é a capital histórica do Tibete e o centro administrativo da Região Autônomado  Tibet .
De 1911 a 1950, o Tibet evitou com sucesso quaisquer influências e manteve a independência completa. Na véspera da invasão chinesa, que começou no final de 1949, o Tibete possuía todos os atributos de um Estado independente reconhecido pelo direito internacional: tinha limites claros, uma população vivendo em território delineado por essas fronteiras e um governo capaz de apoiar as relações internacionais. O Tibete tinha um chefe de Estado e um sistema de governo, um sistema legal, tributação, moeda e serviço postal, representantes no exterior e os militares.
A inclusão do Tibete na República Popular da China como resultado da invasão militar continua a ser uma questão complexa e controversa até o presente.
Em Dharamsala (Índia) é o governo do Tibete no exílio, dirigido até 2002 pelo  Dalai Lama XIV , uma das pessoas mais reconhecidas e respeitadas do mundo.
Até agora, era geralmente aceito que as pessoas começaram a viver constantemente no Planalto Tibetano - o maior e mais alto do nosso planeta - não antes de 5,2 milênios atrás. No entanto, depois de um estudo publicado na  Science , o tempo de liquidação do Tibete pode ter que ser transferido para uma data anterior, entre treze e sete mil anos atrás. Milhares de quilômetros - essas impressões se tornaram a mais antiga evidência da presença de pessoas no planalto tibetano. 


Mas não entraremos em pesquisa arqueológica e histórica, mas vamos ver como os povos indígenas vivem no Tibete agora.
Todos os grupos étnicos no Tibete pertencem aos povos mongolóides, provavelmente descendentes de tribos nômades que migraram do norte e se estabeleceram nos vales do Tibete. No Tibete (Região Autônoma do Tibet), vivem mais de dez diferentes grupos étnicos e nacionalidades, incluindo tibetanos, mongóis, duluns, moinba, loba, hui, naxis, dan, khampa e sherpas. Vamos nos concentrar nos verdadeiros tibetanos.constituindo a população principal.

Modernos residentes do Tibete.
Segundo o censo chinês de 2000, o chamado “Grande Tibete”, ao qual o governo tibetano no exílio também inclui territórios que não têm status autônomo na China atual: 5,2 milhões de tibetanos, dos quais aproximadamente 48% são nômades, 32% são comerciantes e agricultores. O monaquismo é formado à custa de todos os setores da sociedade e representa 20% da população do Tibet (18% são monges, 2% são freiras), 3,6 milhões de Han (chineses) e 1,6 milhão de representantes de outras nacionalidades.
A bandeira nacional do Tibete.
A partir da descrição oficial da bandeira tibetana dada pelo governo do Tibete no exílio:
“O triângulo branco no centro representa uma montanha nevada e simboliza o Tibete, também chamado de País da Neve.
Os seis raios vermelhos são as seis tribos originais do Tibete.
A alternância de raios vermelhos e azuis escuros simboliza a firme intenção de duas divindades patronas tibetanas para proteger as tradições espirituais e seculares do país. Um deles, Nechung, está marcado em vermelho e o outro, Sri Devi, é preto.
O sol significa liberdade igual para os tibetanos, assim como felicidade espiritual e mundana.
A pose heróica dos leões da neve simboliza a vitória final da política espiritual e secular do Tibete.
Três gemas cintilantes que seguram os leões significam respeito pelo povo do Tibete a três jóias: o Buda, o Ensinamento e a Comunidade (Sangha).
Um objeto redondo de duas cores mantido por leões simboliza a observância voluntária de dez virtudes divinas e seis princípios morais humanos.
A fronteira amarela simboliza a prosperidade eterna do budismo em todas as partes do mundo ”.
A taxa de alfabetização entre os tibetanos é inferior a 50% A educação era principalmente monástica, em quase todas as famílias alguém era monge, a maioria dos monges era alfabetizada.
Até 1951, a expectativa de vida média não ultrapassava os 40 anos, havia uma taxa de mortalidade muito alta entre mães e filhos, e doenças infecciosas grassavam.
Atualmente, o padrão de vida aumentou significativamente, a expectativa de vida média aumentou para 67 anos ..
Portanto, é claro que as histórias sobre a longevidade dos tibetanos (mais de 100 anos) são nada mais que um mito.
 De fato, o Tibete é mais do que as conseqüências das decisões duvidosas do governo chinês nos anos 50. 
Primeiro de tudo, o Tibete é o povo que nele habita. Vamos tentar olhar para os tibetanos modernos e entender como é a vida deles hoje.
No Tibete, não há campos, estepes, como no Kuban. 
Os vales fluviais entre as altas montanhas rochosas são o único lugar no Tibete onde se pode plantar.
Os vales dos rios em suas partes superiores são estreitos e inconvenientes para a agricultura arável. 
Mas no meio e partes inferiores estão se expandindo e fornecem uma oportunidade para se envolver na produção de produtos agrícolas. Os vales do rio do Tibete mais de 6 milhões de pessoas são fisicamente incapazes de se alimentar.
Então, o que eles ganham, e o que a população geral do Tibete vive? Naturalmente, agricultura e pecuária
 Ovelhas, cabras e iaques são criados aqui. Eles crescem um tipo especial de cevada "zinco" (qingke), bem como trigo, trigo e leguminosas. Nos vales do Tibete, as uvas cultivam excelentes batatas; aqui também estão os luxuosos pomares de maçã. No sul do Tibete, onde o clima é quente o suficiente, arroz e algodão são cultivados.
Recentemente, alguns artesanatos tradicionais floresceram, por exemplo, a fabricação de roupas nacionais.E, ainda assim, uma fonte significativa de renda é a medicina, e é interessante que os residentes locais não apenas a salvem, mas também a transformem em um negócio de sucesso.
A medicina tradicional tibetana é basicamente fitoterápica, isto é, é baseada na fitoterapia. Os curandeiros tibetanos usam mais de 2 mil tipos diferentes de plantas. Outros remédios naturais também são usados ​​na farmacologia tibetana. São mais de 40 espécies de animais e cerca de 50 minerais diferentes.
Todos os anos, no início da primavera, um fenômeno estranho pode ser observado no território do altiplano: um fungo parasitário chamado Yarsagumba começa a crescer a partir dos inúmeros cadáveres de vermes que descansam na camada superior do solo. Parece assustador, mas os tibetanos acreditam que os “frutos” coletados podem suportar uma ampla gama de doenças. No entanto, nisto eles conseguiram convencer o mundo inteiro, e agora o cogumelo tornou-se o assunto de comércio vivo. Em meados de 2008, 500 gramas da safra de qualidade média foram estimados em US $ 4.400, enquanto o produto high-end custou cerca de US $ 13.200 para o mesmo peso. Mas a demanda por Yarsagumba cresceu tanto que atualmente existe uma ameaça à sobrevivência desta espécie. A este respeito, o preço caiu agora significativamente, mas os tibetanos não pretendem perder o benefício. Criaram cooperativas que estão envolvidas no cultivo artificial de cogumelos.
Nos últimos 10 anos, outra fonte de renda apareceu - isso é o turismo. Mas a principal receita deste artigo é recebida pelos chineses, que também lideram o turismo no Tibete. E a população local é empregada no setor de serviços. Para que mais chineses se mudem para o Tibete, o governo chinês oferece benefícios especiais aos migrantes. Os chineses procuram se mudar para o Tibete, porque lá eles podem conseguir trabalho no campo da saúde, em instituições culturais e educacionais, no setor de serviços. 
O salário do pessoal chinês no Tibete é 87% maior do que na China. Os empresários chineses são taxados e recebem empréstimos em uma porcentagem muito pequena, enquanto é muito difícil para os tibetanos conseguir uma licença para começar seu próprio negócio em seu próprio país. 
E agora um pouco sobre a vida dos povos indígenas.
A culinária tibetana é bastante simples e até mesmo monótona, mas ao mesmo tempo muito nutritiva e saborosa. Os tibetanos na maioria das vezes comem cereais (cevada, arroz, trigo), carne (iaque, cordeiro, menos frequentemente carne de porco e aves) e laticínios (de leite de vaca e leite de yakskoy).
O prato mais tradicional que você deve definitivamente experimentar no Tibete é o Yakomo. Momo - estes bolinhos, que são cozidos no vapor. Yak momo - grandes bolinhos tradicionais cheios de carne de iaque
Momo - bolinhos da carne de yaks Zampa
 Legumes não são suficientes em lugares de grande altitude. Zampu é o alimento básico para o povo tibetano, que é consumido diariamente. Este prato, na verdade, é farinha de cevada feita a partir de cevada seca misturada com chá de azeitona salgada. O leite de iaque também é um dos produtos alimentícios locais, dos quais são feitos manteiga e iogurte com queijo cottage. Cordeiro muito seco e carne são populares.Especialmente no inverno, agora em algumas cidades, Lhasa, por exemplo, os pratos tibetanos são complementados por comida chinesa, principalmente comida de Sichuan. Legumes e peixe estão disponíveis no mercado. No entanto, os moradores raramente comem peixe por causa de sua religião e costumes.
 Os chás verdes e ervais alpinos tibetanos estão crescendo em Tibet. Estes chás são muito raros, são considerados muito úteis, porque 100% ecologicamente corretos. Chá de ervas tibetano é bom para a saúde, não pode ser encontrado em qualquer outro lugar, exceto o Tibete. Muitas vezes ervas medicinais valiosas são adicionadas a esses chás de ervas: Cordyceps, Saffron e outros.
Os tibetanos gostam de beber chá. Especialmente chás de azeitona salgados, chá doce preto com leite e até uma cerveja de cevada local, chamada Tibetan Chang.
Os tibetanos sedentários constroem casas de pedra e os nômades estabelecem campos temporários. A casa tibetana tem um telhado plano e muitas janelas, é simples em sua estrutura e cor. As casas geralmente são construídas em uma elevação voltada para o sul. As casas incluem uma sala de estar / quarto, uma cozinha, um quarto de hóspedes, uma capela familiar e edifícios agrícolas. Cada casa é certamente decorada com ornamentos tradicionais, tanto no exterior como no interior. Para pintar casas são convidados artistas especiais:
O principal material de construção é o tijolo e a pedra. Por trás da metade de um andar, um de dois andares é geralmente erguido. As aberturas das portas e janelas estão acabadas com cimento preto. Nos tempos antigos, nos telhados planos das casas, a fim de proteger contra os ladrões, a lenha era colocada para fora. Esse costume foi preservado como uma tradição da moda, e a madeira começou a se encaixar na arte. Bandeiras de oração voam sobre cada telhado.
Os nômades fazem suas tendas muito fortes e estáveis ​​de cabelo trançado de iaque, usando o cabelo comprido da cauda desses animais. As maiores tendas são tão grandes que podem acomodar uma ou duas centenas de pessoas e seu espaço é dividido em salas. Sobre as tendas eles sempre penduram bandeiras de oração e queimam incenso na entrada.
Toda a cultura material, especialmente a arquitetura, assemelha-se aos templos dos incas no Peru e dos astecas no México. Os tibetanos também se consideram herdeiros de uma civilização muito alta que já existiu na Terra. Mas, olhando para suas vidas diárias, você não está pensando em outros mundos, mas na densa Idade Média.
Todos os tibetanos, homens e mulheres, gostam de usar jóias. 
Os homens geralmente torcem um pacote de tranças no topo da cabeça ou cortam o cabelo. As mulheres trançam duas tranças, tecendo fitas coloridas nelas e torcendo as tranças ao redor de suas cabeças. Às vezes, tecer muitas pequenas tranças, decorando-as com miçangas ou pedras preciosas. 
A roupa tibetana consiste em um manto e uma camisa. O roupão usado pelos homens é largo e geralmente é amarrado sob o braço direito.
Feminino, um pouco já e pode ser tanto com mangas, como sem elas. Roupões são muitas vezes cintados com dois cintos de tecido. Camisas, como um roupão de banho, estão amarradas ao lado direito. Os homens costumam usar camisas brancas com golas altas, e as mulheres preferem camisas de várias cores com golas de gola alta.
No norte do Tibete, em climas frios, os pastores locais usam casacos de pele e, à noite, envolvem-se em cobertores acolchoados. No sul do Tibete, onde o clima é mais quente e mais úmido, as roupas são costuradas a partir de tecido de lã feito à mão. Roupas masculinas são afiadas com tecido colorido. As mulheres usam vestidos de cores escuras, usadas em blusas, bem como aventais de lã listrada e brilhante, falando em casamento. Tanto os homens como as mulheres usam chapéus de feltro ou peles. Os sapatos são principalmente secos e de couro (parcialmente crus).
Aos longos cabelos negros, acrescentam tranças artificiais às quais as patugas estão presas - uma moldura feita de veludo retorcido e decorada com pérolas, corais e turquesa.
Em diferentes regiões do país, as mulheres usam patógenos de várias formas, decoram orelhas com longos brincos de ouro cravejados de turquesa, e penduram em seus colares caixas douradas decoradas com turquesa e diamantes. Essas roupas são usadas principalmente em aldeias remotas e para feriados, e nas cidades muitos tibetanos usam roupas européias.
Alguns tibetanos levam um estilo de vida nômade, que difere da vida de tibetanos sedentários.
A mulher que dá à luz aqui é expulsa da habitação e outra. O recém-nascido deve ser levado para a cachoeira para se manter em água gelada. Se ele não sobreviver, isso significa que ele só vai salvar a si mesmo e seus parentes do sofrimento. Educação espartana, não diga nada.
O Tibete é um dos poucos lugares na terra onde o pão não é assado. Os tibetanos lubrificaram a pele para mantê-la seca. Eles se lavam uma vez por ano - em setembro, durante uma semana especial de banho.
 Hoje em dia, famílias inteiras vêm para as fontes termais ou se juntam nas margens de rios e lagos. O ritual de banho da semana balnear é solene e alegre. No começo, todo mundo se agacha e lava a cabeça, depois esfrega o corpo e, finalmente, mergulha na água. Tempo para nadar, no entanto, não é o mais adequado - 10-15 graus. Mas nadar na primavera, quando a neve derrete nas montanhas, é ainda mais frio. No verão, durante a estação chuvosa, a água fica turva. Assim, o começo do outono é o melhor momento para a "semana da natação". As mulheres trazem roupa para o rio, os homens trazem bebidas para o rio e tudo termina com um piquenique alegre.
A "semana do banho" é considerada o momento mais favorável para a coleta de plantas medicinais, para a preparação de medicamentos tibetanos, em geral para a cura de doenças.
A poliandria é desenvolvida no Tibete devido às duras condições econômicas. As famílias pobres não podem arrecadar dinheiro para a noiva e, portanto, quando um dos irmãos se casa, os outros irmãos, assim como o sogro, têm a oportunidade de receber a namorada em casamento.
A propriedade em tal casamento se torna propriedade da criança mais velha, e os mais jovens simplesmente têm o direito de todos usarem. Todos os homens assistem à cama de casal em turnos, e o calçado ao lado da porta se torna um sinal para o resto.  Por tradição, a menina usa uma alça em volta do pescoço com moedas doadas por amantes
Se houver menos de uma dúzia deles, há poucas chances de se casar com uma noiva assim. Bastardos são adotados pelos avós, e o pai verdadeiro, tendo trabalhado para a família de sua amada por um mês e meio (3 semanas antes do parto e 3 depois), se deixa em paz.
Estrangeiros dão contas de coral, e se uma menina tem tais inserções em um colar, ela é especialmente valorizada, então uma verdadeira caçada a segue.
Se uma rapariga solteira ficar grávida, o jovem pai trabalha para a família da rapariga durante cerca de um mês durante o parto e, em seguida, os pais da rapariga irão abençoá-lo e libertá-lo. Ninguém mais deve nada a ninguém.
E como vivem os pastores tibetanos simples? 
A peculiaridade da economia em tibetano: não protege a colheita de pragas. O karma negro é pesado demais para matar uma variedade de insetos, cada um dos quais era sua mãe em uma de suas vidas passadas.
A tenda de um nômade tibetano é um exemplo do verdadeiro minimalismo: só tem o que é realmente necessário para a sobrevivência. Movendo-se regularmente de um lugar para outro, e até carregando pertences em iaques teimosos, você não terá roupas extras, álbuns de fotos de família, jogos de chá, móveis ou um altar ricamente decorado com estátuas de deuses em bronze. Mas coisas que passaram por uma rigorosa seleção, funcional, confortável e testada no tempo.
Na estação fria, os nômades tibetanos usam tendas de lã, protegendo-as com um grande número de estrias para que a habitação não seja afetada pelo vento. Quando chove, a tenda vai definitivamente ficar molhada, mas a chuva é rara. Se, no entanto, o mau tempo chegou, então as bacias, vasos e tigelas são colocados sob as partes do telhado que vazam, e a neve, embaixo das paredes, é simplesmente jogada fora. 
Essas fotos do fotógrafo chinês Cat Vinton, que ela filmou na cidade de Chang Tang-Pa. Um lugar em nosso planeta, onde não há nem mesmo as mais modernas tecnologias modernas, onde o tempo parou, onde o dinheiro não é necessário, aqui elas não têm sentido - elas não terão nada para gastar. Nômades tibetanos vivem em solidão aqui.
"A vida aqui é difícil, mas é assim que eles querem viver", diz uma fotógrafa, que viveu por dois meses perto dos nômades. do lado de fora ".
“Meu ensaio fotográfico é um lembrete para as pessoas modernas de que esse estilo de vida ainda existe”, diz Cat Vinton.
Nômades tibetanos em nosso tempo, como os nômades vivem no Himalaia no Tibete, na ChinaNômades tibetanos em nosso tempo, como os nômades vivem no Himalaia no Tibete, na ChinaNômades tibetanos em nosso tempo, como os nômades vivem no Himalaia no Tibete, na China
Nômades tibetanos em nosso tempo, como os nômades vivem no Himalaia no Tibete, na ChinaNômades tibetanos em nosso tempo, como os nômades vivem no Himalaia no Tibete, na ChinaNômades tibetanos em nosso tempo, como os nômades vivem no Himalaia no Tibete, na ChinaNômades tibetanos em nosso tempo, como os nômades vivem no Himalaia no Tibete, na ChinaNômades tibetanos em nosso tempo, como os nômades vivem no Himalaia no Tibete, na China
A morada tradicional de um pastor tibetano é uma tenda retangular portátil em um banner com "portões", coberto com peles de animais, feltros ou panos de lã, na maioria das vezes tecido preto. Recentemente, a lona foi usada como material de cobertura, especialmente no verão. A lareira está localizada dentro da casa. Serve tanto para cozinhar quanto para aquecimento.
Utensílios e pratos, principalmente couro, madeira, ferro fundido, cerâmica são quase nenhum, com exceção da porcelana chinesa comprada dos segmentos mais prósperos da população.
Você leu sobre nômades tibetanos - e você está surpreso: em nosso tempo alguém leva esse tipo de vida. Vivem em condições naturais invulgarmente difíceis: em primeiro lugar, a altitudes de 4-5 mil metros, onde, como se sabe, o nível de oxigénio é muito menor; em segundo lugar, em tais alturas um aumento do nível de radiação solar, que para as pessoas comuns é repleto de doenças de pele seca e olho; e finalmente, temperaturas muito baixas (no inverno até -40) mais um vento penetrante. Geneticamente, por centenas de anos, o corpo dos nômades tibetanos se adaptou a tais condições.
Deve-se notar que os tibetanos não comem nada que habita nos mares, lagos e rios. Eles nem sequer se dedicam à pesca, pois acreditam que a alma do falecido pode se mover para um peixe ou ave.
Tibete, é uma terra onde não há cemitérios, nem sepulturas separadas, também não há cerimônia de cremação aqui. Uma exceção é o monte do túmulo do rei Gumbo e vários de seus descendentes. As relíquias embalsamadas dos últimos Dalai Lamas são guardadas em estupas douradas que adornam as zonas de oração dos santuários lamaístas.
Em outros casos, o funeral no Tibete não significa "a tradição da terra, mas a tradição do céu". O corpo do defunto repousa por três dias em casa, de modo que "uma alma saiu dele", e depois "vai para o céu": ele é levado para uma rocha especialmente projetada para a cerimônia e alimentada por abutres gigantes. Se nada restar do falecido, significa que ele se mudou com segurança para o céu.
Parentes primeiro latem em torno de uma stupa budista. Então, quem em quem, quem no tecido, quem no peito, traz os corpos dos mortos. O território onde os corpos se desmembram está enrolado em uma tela amarela e azul de dois tons. Apenas os parentes do homem são deixados para cuidar do processo no lugar onde o lama prepara os corpos para serem levados ao sepultamento celestial. Nada de terrível é visível, exceto que, quando a cabeça da lhama se move, empunhando uma faca. Eu pensei que os corpos foram cortados em pedaços e separados. Acontece que este não é o caso. O corpo é cortado, mas sua integridade é preservada, isto é, tudo fica próximo, de longe parece que não foi cortado de jeito nenhum. O cabelo é removido da cabeça.Os corpos estão de frente para o chão, os braços esticados para a frente. Abutres não caem sem uma equipe.No momento em que a tela deve ser removida, os abutres estão a caminho. Literalmente dois segundos: levantando a tela, e aqui estão os abutres,
Tal cerimônia fúnebre deve-se à filosofia do lamaísmo, segundo a qual a morte é uma transição para um nível diferente de ser e, portanto, a carne morta deve ser apresentada como um presente para outras formas de vida.
A peculiaridade da cultura tibetana é que a única forma de sua manifestação através dos séculos tem sido a religião, o que a torna semelhante à estrutura da Idade Média. Os centros de aprendizagem serviram mosteiros. A intelligentsia era composta de lhamas. Como na Europa medieval, a religião monopolizava todos os meios de expressão artística. Mas a cultura, ao mesmo tempo, não era propriedade comum, mas sim a minoria.
Na região, onde praticamente não havia educação secular, existem agora 2.400 escolas primárias e 80 secundárias. Dois terços das crianças em idade escolar estudam em sua língua nativa. Antes da escolaridade generalizada ainda está longe. E o principal obstáculo é a falta de professores. Sua formação tornou-se a tarefa de quatro instituições de ensino superior na região autônoma e, acima de tudo - a Universidade do Tibete. Todos os anos, cerca de 300 formandos se juntam às fileiras dos professores locais. A universidade tem uma faculdade de arte tibetana. Teólogos famosos dos mosteiros de Drepal, Sulphur dão palestras e seminários lá. O clero ajuda no estudo da arquitetura tibetana, música e artes visuais.